quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Do que falamos, quando falamos da(s) turma(s) PIEF ???

                 Programa Integrado de Educação e Formação

O Programa Integrado de Educação e Formação (PIEF) é uma medida socioeducativa e formativa de inclusão, de caráter temporário e excecional, dirigido a jovens dos 15 aos 18 anos que se encontram em risco e/ou em perigo de exclusão escolar e social. Visa o combate ao abandono escolar precoce e promove o desenvolvimento e certificação de competências do 1º, 2º e 3º ciclo do Ensino Básico. Fomenta o cumprimento da escolaridade obrigatória e/ou a dupla certificação escolar e profissional com transição e integração em meio laboral através do reingresso escolar e com a definição de percursos alternativos de educação e ou formação. É um programa inovador, na medida em que é definido um plano de educação e formação (PEF) segundo os princípios de indivualização, acessibilidade, flexibilidade, continuidade, faseamento da execução; celeridade e atualização para cada jovem. Esta medida contempla o apoio de um técnico de intervenção local, com formação preferencialmente, na área das Ciências Sociais e Humanas, nomeadamente, psicologia, serviço social, ou educação social, que acompanha os jovens de forma individual e mantem o contacto regular com as respetivas famílias. Cada jovem é ainda acompanhado por um professor-tutor ou formador-tutor, que promove a intervenção articulada das entidades envolvidas na execução do plano, informa regularmente as entidades responsáveis pela avaliação da evolução da execução do plano e propõe a revisão e alteração deste, sempre que necessário.

site da Direção-Geral da Educação (DGE)

O que é o TEIP ?

Programa Territórios Educativos de Intervenção Prioritária 

O Programa TEIP é uma iniciativa governamental, implementada atualmente em 137 agrupamentos de escolas/escolas não agrupadas que se localizam em territórios economicamente e socialmente desfavorecidos, marcados pela pobreza e exclusão social, onde a violência, a indisciplina, o abandono e o insucesso escolar mais se manifestam. São objetivos centrais do programa a prevenção e redução do abandono escolar precoce e do absentismo, a redução da indisciplina e a promoção do sucesso educativo de todos os alunos. Os agrupamentos de escolas que integram o programa TEIP são frequentados por um grande número de alunos que pertencem a grupos identificados como em risco de exclusão escolar e social, como a etnia cigana, imigrantes ou filhos de imigrantes cuja língua materna não é a língua portuguesa. Estes alunos, assim como outros que não pertencem a estes grupos em particular, são oriundos de famílias em situação de pobreza, desemprego, dependências, etc. A promoção da inclusão de todos os alunos na escola passa por uma abordagem que vai muito além das paredes da sala de aula e que assenta numa intervenção integradora, envolvendo professores, pessoal não docente, técnicos das áreas das ciências sociais e humanas, famílias e comunidade, onde se tenta promover a permanência do aluno na escola e a melhoria das aprendizagens. As unidades orgânicas integradas no programa TEIP têm utilizado mecanismos para melhorar a inclusão, como a criação de espaços onde se possa promover hábitos de saúde pessoal e social, bem como ações de tutoria. Existe ainda preocupação com a preparação dos docentes para a diversidade social dos seus alunos através da formação em tutorias sócio comportamentais, mediação de conflitos e gestão de grupos multiculturais, por exemplo. O envolvimento das famílias no percurso escolar dos seus educandos, assim como a sua capacitação, é também uma das áreas de intervenção do programa, quer através de contactos frequentes entre escola e família para resolução de questões referentes ao aluno, quer através da oferta de momentos de sensibilização, ações de formação e até de qualificação escolar e profissional. Sabendo que um dos principais preditores do abandono escolar precoce é o número de repetências do aluno, existe um grande investimento na melhoria das aprendizagens, que assenta na promoção de mudanças no trabalho efetuado pelos professores na sala de aula, como a implementação de novas formas de organização do grupo-turma, a promoção do trabalho articulado entre professores e a implementação de parcerias pedagógicas e de pedagogias diferenciadas. O programa TEIP promove a inovação, através da identificação dos problemas locais e da procura de soluções também locais, que passam muito pela criação de novas respostas e/ou adaptação de estratégias já utilizadas por outros. Os aspetos mais inovadores do programa, tendo em conta a realidade portuguesa, poderão ser a aposta na monitorização e avaliação como instrumento de tomada de decisão e motor da mudança organizacional e de práticas na escola, na dinamização de uma rede nacional de escolas que partilham problemáticas mais ou menos comuns e boas práticas, na organização das escolas em Micro-redes de partilha/aprendizagem e no acompanhamento de cada escola por um especialista na área da educação, que exerce um papel de amigo crítico, ajudando a organização a monitorizar, a avaliar as suas práticas e a utilizar essa informação para a melhoria do serviço educativo. A gestão e a organização da escola é uma das áreas trabalhadas de forma inovadora no programa, promovendo-se a alteração da forma de organização, clarificando papéis e distribuindo responsabilidades entre os diversos níveis de gestão, tornando-a mais eficaz e eficiente. Antes do início do ano letivo é delineado um plano de melhoria, que identifica pontos críticos, estabelece metas gerais a atingir e desenha um plano de ações, cujo desenho detalhado cria as condições para a sua monitorização permanente. A implementação ou a melhoria de sistemas de monitorização e avaliação permitem uma maior reflexão sobre as práticas e o seu reajustamento sempre que necessário. A criação de um referencial de formação baseado em relatórios e no levantamento de necessidades foca-se em 4 domínios principais: gestão da sala de aula, articulação e supervisão pedagógica, monitorização e avaliação, e metodologias Mais Sucesso. Foram atribuídas verbas às escolas para, de acordo com as necessidades da sua organização, financiarem formação que permita capacitar os seus recursos humanos e melhorar a implementação do seu plano de ação. A relação escola-família-comunidade é um dos pilares de intervenção do programa, que passa pela constituição de equipas multidisciplinares que envolvem técnicos - como, por exemplo, psicólogos e técnicos de serviço social - professores e, eventualmente, assistentes operacionais. Estas equipas, em articulação com os professores titulares de turma, os diretores de turma e restantes estruturas, em função das sinalizações internas e externas, desenvolvem um trabalho de proximidade junto dos alunos e das respetivas famílias, com vista à resolução dos problemas diagnosticados e que estão normalmente relacionados com a indisciplina, absentismo e abandono escolar precoce. 

site da Direção-Geral da Educação (DGE)

Votos de bom ano letivo...

Desejamos a toda a Comunidade Educativa um bom novo ano letivo e contamos com  a colaboração e participação de todos e de todas na construção de uma escola que queremos seja cada vez melhor...
                                                                   
                                                          O Conselho Geral do Agrupamento de Escolas de Prado

Questões importantes no ínicio do ano letivo e em todos os outros dias...






Se aplicarmos tais dinâmicas, as probabilidades de desenvolvermos filhos, mais confiantes, mais seguros, com um equilibrado auto conceito e auto estima, mais autónomos, mais capazes de lidar com a frustração, um espírito crítico mais apurado, melhores ferramentas nas relações interpessoais e intra pessoais, etc... Resumindo, maiores probabilidades de desenvolvermos filhos/crianças (adultos no futuro) com dinâmicas biopsissociais mais assertivas, mais saudáveis, mais sensatas, mais capazes de lidar com as demandas da vida...