sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Mensagem final a reter...



Afinal, para que servem as férias?

Gisela Kassoy
 
Quando os seres humanos eram considerados pura mão-de-obra, ou, como se dizia, quando eram pagos para agir e não para pensar as férias serviam simplesmente para descansar o corpo, para que recuperássemos nossa energia física.

Agora somos valorizados pelo nosso capital intelectual e o que as empresas precisam é do nosso conhecimento, nossa capacidade de tomar decisões, nossas ideias, nossa habilidade em lidar com colegas e clientes.
Já que persiste a ideia de que as férias nos permitem viver aquilo que não vivemos durante o resto do ano, actualmente não há nada mais justo do que empregarmos nosso tempo livre tomando sol, praticando desporto, cuidando do corpo.

Temos também uma grande carência de tempo livre. Férias servem portanto para a gente desacelerar, jogar conversa fora, desfrutar o simples e o singelo, permitir-se viver num outro ritmo.

O interessante é que esses momentos livres não existem apenas para recuperarmos nossas forças, mas são, por si só, produtivos.

Acontece que as fronteiras entre o que é trabalho, lazer e prazer praticamente não existem mais. Quando Domenico de Masi fala em Ócio Criativo, ele não se limita aos eventuais benefícios do tempo livre: ele se refere ao trabalho, aprendizado e prazer se misturando cada vez mais, resultando em ideias e ações criativas.

É sabido que a mente humana nunca pára de trabalhar, nem enquanto dormimos, ela apenas trabalha de outra forma. Quem nunca foi dormir com um problema e acordou com a solução? Quem nunca teve uma boa ideia no banho, num bar ou praticando desporto?

Os americanos chamam de Serendipity aquele momento no qual fazemos descobertas interessantes e inesperadas por acaso. Esses momentos ocorrem quando estamos relaxados, com a mente mais solta, permitindo-nos pensar de outras formas e trocar ideias aparentemente sem finalidade específica. São, portanto, muito mais frequentes nas férias.

Aproveite para descansar, para desfrutar do relaxamento, presenteie os sentidos com novas paisagens, novos cheiros, novos climas. Curta também observar outros estilos de vida, conversar com pessoas que pensam de formas diferentes das suas. E fique atento às novas ideias, inclusive as relacionadas com o  trabalho, pois elas virão...

E já que você, querendo ou não, vai levar um pouco do trabalho para as férias, não se esqueça de, na volta, levar um pouco do espírito das férias para o seu quotidiano de trabalho.